Feriados de 1 e 8 de dezembro

O Dia 1 de dezembro é Feriado Nacional e assinala o dia da Restauração da Independência de Portugal, um acontecimento histórico que se registou no ano de 1640.

Depois de ter perdido a independência, na sequência do desaparecimento do nosso rei D. Sebastião, na Batalha de Alcácer Quibir, que não deixou descendentes diretos, o trono de Portugal foi inicialmente entregue ao seu tio-avô, o Cardeal D. Henrique. Após a sua morte, em 1580, os principais candidatos ao trono de Portugal eram os netos de D. Manuel I: D. Catarina de Bragança, D. António-Prior do Crato e Filipe II (rei de Espanha).

A luta pelo poder acabou por colocar no trono de Portugal o candidato mais forte, Filipe II. Durante 60 anos, Portugal integrou com a Espanha a União Ibérica, período conhecido por domínio filipino.

Depois de aclamado rei nas Cortes de Tomar, o novo monarca comprometeu-se a respeitar a autonomia de Portugal, a manter os seus usos e costumes, a língua, a bandeira, a moeda, assim como a nomear portugueses para a sua administração.

Porém, os seus sucessores, Filipe III e Filipe IV, começaram a ignorar os compromissos e a não honrar aquelas promessas, tendo o nosso país acabado por perder efetivamente a sua independência, o que motivou um progressivo descontentamento da maioria dos portugueses.

Neste contexto, aproveitando-se de uma conjuntura interna e internacional favorável, no dia 1 de dezembro do ano de 1640, um grupo de nobres portugueses revoltou-se contra o domínio espanhol, afastando a duquesa de Mântua, representante de Filipe IV, em Portugal.

Derrubado o domínio castelhano, Portugal voltou a ser um reino independente, iniciando-se uma nova dinastia com a aclamação do duque de Bragança, D. João IV, como novo rei de Portugal, mas só em 1668 a Espanha, depois de um período de “Guerra da Restauração”, acabou por reconhecer a nossa independência.

Seis anos depois da Restauração da Independência, nas cortes de Lisboa de 1646, o rei D. João IV proclamou, solenemente, Nossa Senhora da Conceição como padroeira de Portugal Desde este dia, os reis portugueses deixaram de usar coroa na cabeça, privilégio reservado exclusivamente para a Imaculada Conceição. Nas cerimónias solenes monárquicas, a coroa passou a ser colocada em cima de uma almofada ao lado do rei. O dogma da Imaculada Conceição foi definido pelo papa Pio IX, em 8 de dezembro de 1854, pela bula Ineffabilis. Assim, o dia 8 de dezembro é um importante feriado religioso, com grande significado histórico.

Prof. Teodoro da Fonte (ESPL – CAD História)

Anúncios